.posts recentes

. Política de Rendimentos p...

. Política de Rendimentos p...

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. AGENDA SOCIAL

. Desemprego 2006

. O DESGOVERNO DA SEGURANÇA...

. OE 2007 - Assim não saímo...

. Contradições!

. INCOMPETÊNCIA

.arquivos

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

.Visitas
online
Sexta-feira, 7 de Outubro de 2005
Reflexão

Quando este artigo for publicado, provávelmente, já estaremos em período de reflexão ou então muito próximo dele. Era sobre esta reflexão que gostaria de centrar hoje a minha escrita. O dia de reflexão é aquele que antecede o dia da votação e tem como finalidade proporcionar aos eleitores, um tempo de meditação, livre de, pressões, campanhas e actos, políticos. Como tal, o eleitor deve reflectir, antes de utilizar a única arma que tem em democracia. O voto. Com ele tem-se a possibilidade de alterar ou não o estado de uma nação, região ou mesmo cidade. Ultimamente no nosso país, pouco ou nada nos tem servido, a utilização desse mesmo voto. Se estávamos mal com o governo PSD, mais mal ficamos com o governo maioritário PS.


As altas expectativas criadas nas anteriores eleições legislativas, depressa foram goradas pois, o governo do PS só tem pautado a sua conduta por uma arrogância, mentira, prepotência e abuso de poder. Estamos numa altura em que o governo decretou oficialmente a abertura da “caça às bruxas” e que o seus principais inimigos são os funcionários públicos e os trabalhadores por conta de outrem. Esquece-se ele, governo PS, que quem lhe deu a maioria absoluta para poder atacar e retirar os poucos direitos adquiridos, foram estes mesmos trabalhadores. A título de exemplo disto que tenho vindo a afirmar, deixo aqui transcritas e sem comentários, uma citação de um cronista de um Jornal Diário Nacional, “ … Se pensar bem há-de ter em qualquer sítio alguma coisa que lhe pode ser tirada para pagar o défice. Talvez, quem sabe?, a colecção de moedas ou a colecção de calendários. Já se coleccionar acções, ou conselhos de administração, pode estar sossegado que a política de austeridade não chega a tanto. Está mais virada para luxos como reformas, assistência médico-social, medicamentos, emprego e coisas do género….”


Com tudo isto, será que ainda é preciso reflectir para votar nestas eleições?


Os professores, os funcionários das finanças, hospitais, tribunais, os militares, médicos, enfermeiros e juízes, ainda não sabem o que fazer com o seu voto! Certamente, sabem que se o PS não levar uma fortíssima derrota nestas eleições, vai ter moral para agravar muito mais,  as suas políticas contra quem trabalha e contra os reformados.


            Como se não fosse suficiente para reflexão, só os factos transcritos, também localmente e porque de eleições locais se trata, é preciso que o PS local tenha uma derrota esmagadora, por forma a penalizar uma postura pautada pela mentira, falta de ideias e arrogância do seu líder.


Será preciso reflectir em Chaves para decidir, em quem votar?


Para algum indeciso que possa haver, transcrevo algumas boas razões para não votar no Sr. Claro.


O candidato socialista (mas pouco) de Valpaços que o PS local elegeu como líder e que o povo de Chaves não aceitou, omite a verdade, porque:


- Mentiu ao povo quando ocupou um lugar, durante dois anos, para o qual não havia sido eleito.


- Mentiu, quando finalmente foi eleito pelo povo líder da oposição e, não ocupou esse lugar, fugindo a sete pés. Pelos vistos, só o poder lhe interessa.


- Mente, quando apresenta algumas medidas avulso, afirmando ser um programa eleitoral.


- Mente ao apresentar medidas falsas, demagógicas, desprovidas de sentido e insultuosas para o comum cidadão flaviense.


- Mente quando quer transmitir a ideia de uma falsa união, em torno da sua candidatura.


Este político de triste figura não inspira confiança em ninguém. As suas ligações ao sector da construção civil poderão ser um facto, se assim não fosse, como se explicam os custos elevadíssimos da sua campanha eleitoral. A sua sede de poder para exercer a vingança sobre aqueles que se atravessaram no seu caminho, é por demais evidente, pois agora, limita-se a dar pontapés nos carros de propaganda política dos adversários!


            A reflexão deve ser importante para analisar, que o PSD pode não ser o melhor do mundo, pode até não ter os candidatos melhores do mundo, mas é inegável que se algo e, não foi assim tão pouco, foi feito nestes últimos anos, a eles se deve.  


            Para terminar este meu artigo, gostava de deixar aqui um apelo a todos os eleitores para não votarem PS, pois merece um voto de protesto, por todas as razões descritas e, porque fundamentalmente as politicas que tem vindo a desenvolver são uma farsa. O PS local, não merece o voto pelo candidato que nos apresentou e tudo aquilo que ele representa, pela ausência de um programa eleitoral sério e honesto capaz de trazer desenvolvimento ao concelho, pela incapacidade de se renovar trazendo gente com capacidades para ser alternativa ao poder actual.


 


Vá lá … não vote PS … diga basta!!!


           


 


Flavius II

publicado por FlaviusII às 20:05
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds