.posts recentes

. Política de Rendimentos p...

. Política de Rendimentos p...

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. AGENDA SOCIAL

. Desemprego 2006

. O DESGOVERNO DA SEGURANÇA...

. OE 2007 - Assim não saímo...

. Contradições!

. INCOMPETÊNCIA

.arquivos

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

.Visitas
online
Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2005
O momento da viragem!!!
O Natal já faz parte do passado, bem como os sentimentos saudosistas que ele desperta em nós. Agora, caminhamos apressadamente para uma noite festiva, eufórica, uma noite que nos permite virar a página de mais um ano das nossas vidas. Este tempo final que nos resta é um tempo de balanço, análise e meditação.
È neste espaço temporal que normalmente caímos na realidade e verificamos que podíamos deixar de ser tão consumistas, de nos endividar tanto, de diminuir o ritmo da nossa vida, pensar na nossa saúde, ter melhorado (feito) isto ou aquilo, ter dado um contributo mais positivo para melhorar a nossa comunidade, fazer tantas outras coisas que é quase impossível estar aqui a enumerá-las. Efectivamente, este “podíamos” é típico de nós Portugueses, é o fardo que carregamos a vida inteira, é o que nos distingue pela negativa de outros povos. Como outras gentes, nós, às portas de um novo ano, tínhamos que olhar em frente e estabelecer objectivos, definir estratégias, evitar erros passados, relançar as nossas vidas e não nos lamentarmos de um passado que já lá vai e, de tudo o que não foi feito. “Que triste sina a nossa!”
O novo ano, que aí vem e os seguintes, tem que ser de esperança, de melhorias e optimismo. É importante banir do nosso vocabulário expressões como “poderíamos” “se” e substitui-las por “temos que…”.
Temos que: deixar de ser os parentes pobres desta velha Europa e mendigar migalhas, mostrar a nossa firmeza e determinação, revoltarmo-nos contra o avassalador domínio estrangeiro, projectarmos os feitos dos nossos antepassados no futuro repetindo o que eles fizeram e dar um novo rumo a uma Europa com uma grave crise de identidade.
As provas que demos no passado longínquo e mais recente, permitem afirmar, nós somos os melhores, independentemente de ter, ser ou poder, na forma ou no conteúdo.
Este é o nosso espírito e aquilo em que acreditamos:
Se não tivermos, lutamos.
Se não somos, seremos.
Se não podemos, conquistamos.

E, porque não substituirmos a expressão banal “Bom Ano de 2006” que todos dizem e que não traduz mais que uma simples simpatia, por “Vamos fazer de 2006 um Bom Ano”.


Flavius II
publicado por FlaviusII às 00:16
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds