.posts recentes

. Política de Rendimentos p...

. Política de Rendimentos p...

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. AGENDA SOCIAL

. Desemprego 2006

. O DESGOVERNO DA SEGURANÇA...

. OE 2007 - Assim não saímo...

. Contradições!

. INCOMPETÊNCIA

.arquivos

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

.Visitas
online
Sábado, 23 de Dezembro de 2006
Política de Rendimentos para 2007
1. Caracterização Económica e Social
 
 
Portugal continua a divergir dos restantes países da União Europeia, ciclo de divergência já iniciado em 1999.
 
Dezoito meses decorridos de governação Sócrates, nenhum dos principais problemas do País foi resolvido e, não obstante as políticas de austeridade e os sacrifícios impostos aos portugueses, não há indicadores sustentados que apontem para uma efectiva inversão daquela tendência negativa.
 
Os portugueses, que de boa fé confiaram nas promessas socialistas, têm visto as suas expectativas defraudadas, porque mesmo os compromissos eleitorais mais importantes - como a criação de 150 mil novos postos de trabalho, o não aumento dos impostos e uma pensão mínima mensal para os idosos de 300 Euros - foram pura e simplesmente desprezados.
 
Acresce que nenhuma das medidas que o governo socialista tomou até hoje, se destinou a favorecer os trabalhadores – cortes nas pensões, contenção salarial, retirada de direitos sociais.
 
O   governo   tem   marcado   a   sua   acção   por   um   estilo   populista - moralista,   para   entreter   a   opinião   pública   e   ocupar   os   orgãos   de comunicação        social, como     são       exemplos, entre            muitos outros, o afrontamento aos juízes, os ataques aos “privilégios” da Função Pública, aos profissionais das Forças Armadas e Segurança Pública, guerra aos professores, aos profissionais da saúde, etc, com resultados nulos, quer ao   nível   da   qualidade   dos   serviços   prestados   quer   em   termos   de poupanças.
 
Os problemas da nossa economia, como a fiscalidade, a organização das empresas, os recursos humanos e os custos dos factores de produção, continuam a comprometer a nossa competitividade, não se conhecendo uma estratégia do governo orientada para vitalizar a micro-economia e apoiar as pequenas e médias empresas.
 
O governo contenta-se com     anúncios de mega projectos,    que normalmente transforma em grandes operações de propaganda e que por aí se ficam, porque ainda nenhum desses anúncios se concretizou.
 
Até hoje, a governação Sócrates tem-se saldado por criar mais dificuldades sociais e o desemprego ronda cerca de meio milhão de desempregados, é o maior drama para centenas de milhares de famílias e atinge quase 50 mil jovens licenciados.
 
É face a este quadro, que se torna necessário um Orçamento de Estado para 2007 sustentado numa estratégia de crescimento económico e numa Política de Rendimentos justa, única via para nos aproximarmos dos parceiros europeus e devolvermos aos portugueses a confiança num futuro melhor.
 
 
 
Flavius II
publicado por FlaviusII às 11:03
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds