.posts recentes

. Política de Rendimentos p...

. Política de Rendimentos p...

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. AGENDA SOCIAL

. Desemprego 2006

. O DESGOVERNO DA SEGURANÇA...

. OE 2007 - Assim não saímo...

. Contradições!

. INCOMPETÊNCIA

.arquivos

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

.Visitas
online
Sexta-feira, 30 de Setembro de 2005
Aves migratórias!
Chegou a altura das últimas aves migratórias nos abandonarem. Uma das suas particularidades antes da partida é juntarem-se em bandos, para assim se deslocarem para outras paragens mais atractivas. Já não temos andorinhas e os estorninhos já constituirão os seus bandos e devem partir, ainda esta semana. Outra espécie, talvez a derradeira deste verão, acabou de reunir o seu bando no jardim público, pela quarta ou quinta vez, no último domingo e está prestes a partir, com passagem marcada para dia 10 de Outubro. Este bando, reúne algumas particularidades específicas, pois são poucos, os seus voos são muito baixos, têm falta de visão, vivem em desorganização, querem regressar ao passado e pautam-se por uma liderança ausente.
Na reunião do passado domingo, com o bando substancialmente reduzido, teve lugar o desfile dos passarinhos que a troco da angariação de alguns votos, obtidos sabe-se lá como e apressadamente, após a tomada de posse do pássaro, Eng. ex-ambientalista, ocuparam os poleiros mais bem remunerados cá do sítio. Era bom para todos, que nos seus cartazes de campanha, agora em terceira versão, colocassem o nome e os vencimentos dos poleiros para os quais já partiram. A saber, Centro de Emprego e Formação Profissional, Centro de Formação, Águas de Trás-os-Montes, Sub Delegado Regional do IEFP, etc.. Dizem as más chilreadas que por aí andam, que os vencimentos destes todos somados, dão para pagar o ordenado de 50 funcionários do município, e mais, qualquer um, ganha um ordenado superior ao de Presidente da Câmara, sendo que um deles, talvez o mais velho, ganha três vezes o ordenado do Presidente da Câmara, isto, mais as regalias extras. Alguém sabe ou se lembra dos concursos públicos para estes lugares? È que eles foram sempre um cavalo de batalha, deste bando, que se afirma como moralista e, pelos vistos a sua moralidade é muito fraca, pois já anda a distribuir lugares e, ainda não ganhou a Câmara. Imaginem o que seria se a ganhasse!!! Uma outra frase que irá constar do cartazes é a seguinte “ O nosso bando tinha seis passarinhos (extra funcionários da câmara) no gabinete de apoio à presidência; eles têm actualmente dois” e continuam, “seis é pouco, pensamos abrir concurso público para mais três”.
O passarito pseudo líder do bando, diga-se a este respeito que poucos são os que o reconhecem como tal, pois é um perdedor nato, nunca ganhou uma eleição, antes pelo contrário, numa manobra orquestrada por ele e pelo pássaro-mor cá do bando, passou imoralmente de subalterno para presidente, sem que para tal, o povo o tenha legitimado, como se veio e se vai novamente comprovar, discursou finalmente perante os seus subalternos. No seu discurso de despedida, poucos foram aqueles que o ouviram, com tanta mentira, demagogia e sede de vingança, lá ia dizendo alguma coisita pouca que sabia ou podia. Como as capacidades são poucas, teve de recorrer ao seu papel do passado e centrar a sua fraca oratória no tema “ mãos à obra “.
Então, com cara de poucos amigos, provavelmente não os deve ter, e como quem antecipa a derrota, coisa a que esta habituado, dizia, “ pássaros, passarinhos e pássaras do meu bando … vamos colocar mãos à obra, pois temos que … abrir mais buracos como o das freiras … acabar com o desenvolvimento do concelho, trazendo para cá as naves, as industrias falidas de têxteis e calçado, como o pássaro-mor prometeu à uns anos atrás … mandar a PSP embora da cidade como fizemos com a PJ … dar mais dez anos para que a UTAD construa as suas instalações … construir outra ponte no rio Tâmega e demorar oito anos a concluir as suas ligações … colocar nas rotundas todas, novas estatuas iguais aquelas que ninguém sabe o preço … … … E AGORA SIM, como eu sozinho não consigo fazer isto vou dar 1000 poleiros, desculpem enganei-me, queria dizer empregos, ouviram bem, 1000 empregos, não 1000 postos de trabalho, pois eu sei que vocês não são pássaros de trabalho e tanto mais que para trabalhar não estamos cá nós. Para atingir esta quota que nos foi atribuída pelo pássaro Eng. ex-ambientalista e, por acaso foi pequena, Bragança teve direito a 5000, pretendo, vingar-me e correr com todos aqueles funcionários da câmara e de outras instituições que me fizeram oposição … como forma de ajudar os mais pobres, vou baixar os impostos sobre os imóveis, assim permito que com o que poupam possam comprar mais medicamentos e outros bens de primeira necessidade …. Como no passado nas freguesias, não consegui fazer nada, vou agora criar umas gaiolas para que os pássaros idosos pertencentes ao meu bando possam passar os dias … quando eu saí, poucas eram as freguesias que tinham abastecimento de água e saneamento, pretendo agora concluir as poucas que faltam … enfim, depois de tudo o que foi dito e para terminar, prometo, que se restar mais alguma coisa, com todos estes que me estão aqui a acompanhar nesta pequena árvore e que por acaso cabemos numa fotografia, mais alguns que estão espalhados pelas freguesias, acabaremos por destruí-la e assim reinar sozinhos e eternamente.”
Provavelmente este bando de aves, como tantas outras, deve regressar lá para a primavera com um novo líder e uma nova organização, sempre e quando se consigam reagrupar e o fantasma deste não paire sob as suas cabeças. O mesmo não devera acontecer com outras duas espécies que estão em vias de extinção e, como tal, a sua reorganização será mais difícil.
Gostaria de lançar um desafio ao prezado leitor deste artigo. Quais as espécies de aves aqui citadas? Alguém conhece? Que valores morais apregoam?


Flavius II
publicado por FlaviusII às 09:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Setembro de 2005
Noticias da Campanha
Ontem na acção de campanha que o PS realizou na feira, teve a participação de alguns adolescentes, o que após algumas informações que me foram transmitidas os mesmos teriam sido recrutados na Escola de Artes e Ofícios.
É lamentável que se usem menores e se envolvam instituições que deveriam ser isentas numa campanha politica para a qual um partido como o PS não tem capacidade de mobilização.

António Fonseca
publicado por FlaviusII às 10:22
link do post | comentar | favorito
|
Nota do FlaviusII
Chegaram via email alguns textos solicitando a sua publicação, assim , todos os textos por esta via publicados são da responsabilidade do seu autor.
publicado por FlaviusII às 10:21
link do post | comentar | favorito
|
Ultima noticia!!!!

Ontem dia de feira, é um dos dias de eleição para os partidos fazerem campanha não só na feira como pelo centro da cidade. É aqui no centro da cidade que após o regresso da feira um carro de som da campanha do PSD foi alvo por parte de alguns membros da comitiva do PS de insultos gravosos contra o condutor e também contra o partido nesse representado, tendo chegado mesmo o candidato a presidente pontapeado a viatura.


Eu sei, que aceitar a derrota é difícil, agora partir para o insulto e a violência física é descer muito baixo. Se alguém tem coragem de praticar tais actos e ainda não é poder imaginem só se o chega-se a ser!!!!


 


Eugénio Silva

publicado por FlaviusII às 10:21
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Setembro de 2005
COMPROMISSO ELEITORAL 2005/2009- PSD (Parte I)

I – Educação/Formação


 


Apostaremos, clara e inequivocamente, na valorização das pessoas.


O desafio continua.


Assim o exige a estruturação de uma nova cidadania assente em valores e condutas abertas à inovação e à defesa do humanismo, da liberdade e da democracia.


 


·    Continuaremos a apoiar e a investir no ensino pré-escolar. Queremos consolidar, melhorar e alargar a oferta pública existente, cobrindo de forma eficaz e pedagogicamente consistente todo o espaço concelhio.


·     Continuaremos a reforçar progressivamente o apoio ao 1º ciclo, apostando na formação integral dos cidadãos.


·     Promover-se-á a reorganização progressiva da rede escolar iniciada com a elaboração da Carta Educativa.


·       Assumiremos as responsabilidades que temos e as que vierem a ser atribuídas. A educação é, para nós, uma efectiva prioridade.


·       Queremos um ensino superior de qualidade no Concelho. Para tal encetar-se-ão esforços para conseguir estabelecer parcerias eficazes - garantia de futuro.


·       Apostar-se-á na investigação promovendo a cooperação Universidade/meio empresarial.


·       A efectivação do Laboratório de Qualidade e Segurança Alimentar e Ambiental, que esperamos venha a ser aprovado no programa INTERREG, permitirá dotar o Concelho e a Região de uma unidade única no Norte do País, capaz de se afirmar internacionalmente.


·       Desenvolvimento do projecto “Ciência Viva”.


 


II – Desporto e Tempos Livres


   


O desporto é instrumento de formação e desenvolvimento integral da pessoa. Apostaremos no desenvolvimento desportivo e na ocupação dos tempos livres com iniciativas inéditas e práticas inovadoras para todas as idades.


 


·     Queremos dotar o Concelho com uma rede de equipamentos desportivos de excelência pelo que se assume como prioritário:


- Construção de mais polivalentes nas diversas freguesias do Concelho;


- Construção de um novo complexo de Piscinas Municipais cobertas (projecto já elaborado).


- Construção de um pavilhão multiusos (projecto já elaborado);


- Construção do pavilhão desportivo da futura escola EB 2,3 de Santa Cruz Trindade;


·    Propomo-nos criar o Parque Urbano Desportivo constituído por:


- Complexo de campos de futebol;


- Pista de atletismo;


- Complexo de campos de ténis;


- Pavilhão de ténis;


- Pavilhão polivalente;


- Polidesportivos e Circuito de manutenção;


·   Apostaremos na construção de um complexo de lazer em Vidago com:


- Piscinas ao ar livre;


- Campo sintético de futebol infantil.


·  Aproveitando as infra-estruturas actualmente existentes na Quinta do Rebentão iremos criar o Centro de Animação para Crianças e Jovens. Esta estrutura permitirá desenvolver:


- Campos de férias;


- Actividades de animação para Turismo/Termalismo familiar;


· Queremos construir o complexo lúdico “Aquae Flaviae”, um complexo onde se recreará uma cidade romana e os seus espaços de diversão – circo, hipódromo, …


 


III – Cultura


   


Valorizaremos, de forma visível, a matriz local da cultura. Criaremos dinâmicas culturais próprias, reforçando a nossa identidade. A afirmação da nossa identidade cultural é fundamental para o progresso.


 


·        Potenciar a Academia de Artes aí concentrando a realização de espectáculos de cinema, música, teatro e dança, entre outros.


·        Em parceria com a USAF (Universidade Sénior) realizar-se-ão actividades de ocupação de tempos livres com acções de índole cultural e pedagógico.


·        Dinamizar e melhorar o Festival “Rock-Casino”.


·        Melhorar o Festival Internacional de Folclore Ourense/Chaves.


·        Garantir novas edições do “Festival de Teatro 27” e do Festival “Douro Jazz”.


·        Melhorar os cortejos Etnográfico e Etnomusical


 


Queremos criar hábitos e responder às novas necessidades culturais. Prevê-se, ainda, alargar a rede de equipamentos culturais com a construção de:


·        Fundação Nadir Afonso;


·        Museu Etnográfico (Solar dos Montalvões – Outeiro Seco).


 


IV – Acção Social     


 


Assumimos, desde a primeira hora, que o desenvolvimento sustentado do Concelho passa, OBRIGATORIAMENTE, pela construção de uma sociedade justa, em que cada indivíduo tem o seu lugar próprio e em que a Autarquia promove e facilita a integração dos estratos sociais mais desfavorecidos.


 



  • Iremos implementar a Rede Social Concelhia (garantindo, desta forma, o apoio aos nossos Idosos) e construir lares e centros de dia dispersos pelo Concelho.

  • Iremos proceder à construção do Centro de Apoio a Deficientes e continuaremos a desenvolver políticas de apoio a actividades recreativas e desportivas dirigidas a este estrato populacional.

  • Iremos dinamizar a Unidade Móvel de Saúde reforçando os meios de diagnóstico.

  • Comissão de Protecção a Crianças e Jovens - Daremos continuidade ao apoio iniciado de acordo com as atribuições que forem atribuídas às autarquias pela legislação nacional.

 


No âmbito das competências relativas à habitação social, continuar-se-ão a desenvolver acções que promovam a inserção social desta população garantindo-se uma maior intervenção directa por parte da Câmara Municipal através de:


·        Criação do Gabinete do Inquilino Municipal;


·        Elaboração do Plano Municipal de Habitação Social;


·        Requalificação dos edifícios de habitação social mais degradados;


·        Construção de parque infantis;


 


V – Nova Zona de Localização de Actividades Económicas


 


Aproveitando a nossa localização geo-estratégica, a construção de novas vias de comunicação (IP3/A24) e os nossos recursos naturais, consolidamos Chaves como o entreposto logístico mais importante do Norte de Portugal, criando novos postos de trabalho e gerando riqueza.


 


·        Reforço do papel fundamental da Autarquia no fomento económico, incentivando a instalação de novas indústrias, através da oferta de condições competitivas de localização.


·        Construção de 6 pavilhões para ninho de empresas no Parque de Actividades.


·        Requalificação da zona industrial da Cocanha melhorando as condições das empresas aí sedeadas.


·        Criação, através da revisão do PDM, de pequenos núcleos industriais dispersos pelo Concelho, nomeadamente na Ribeira de Oura.


 


VI – Termas


 


Novas parcerias, novos produtos, novas instalações, fazem das Termas a âncora do desenvolvimento em termos de Turismo (hotelaria, restauração, animação) e Comércio (comércio tradicional, artesanato) projectando a imagem de Chaves como cidade moderna - capital do bem-estar.


 


·        Este quadriénio confirmará a sustentabilidade do projecto “SPA do IMPERADOR” consolidando as termas de Chaves como balneário termal de referência ao nível terapêutico e tornando-as um produto turístico de excelência no contexto nacional. Apostar-se-á no Turismo Sénior (saúde) como forma de combate à sazonalidade. Instalar-se-á, no edifício do balneário, o Museu Termal do Alto Tâmega. Queremos, ainda, aproveitar todo o potencial geotérmico que as nossas águas oferecem (Projecto Geotermia).


 


VII – Comércio


 


Cientes da importância fulcral do sector comercial no Concelho (quer pelo número de posto de trabalho criados, quer pelos investimentos realizados), apostou-se na criação de condições de atractividade no centro histórico da cidade como forma geradora de novas dinâmicas de consumo.


 



  • Aumento do número de lugares de estacionamento na envolvente ao centro histórico.

 


VIII – Desenvolvimento Rural


 


Entendemos que o desenvolvimento rural se faz não só potenciando as actividades económicas do sector primário, mas, principalmente, investindo nas populações que residem nessas zonas do Concelho.


O processo de despovoamento das aldeias e a necessidade de minimizar os fenómenos de exclusão social que se lhe associam levou à elaboração do Plano de Combate à Desertificação Rural.


Promover-se-á a valorização dos produtos locais:



  • Reabilitando o presunto de Chaves, obtendo a menção de Indicação Geográfica Protegida (IGP);

  • Através do Plano de Combate à Desertificação Rural encetaremos medidas tendentes ao aumento do emprego feminino, à fixação de população jovem aos meios e actividades rurais e ao combate à exclusão social.

 


I X– Requalificação Urbana


 


A requalificação urbana do nosso Concelho é hoje uma realidade. Investiu-se na melhoria da qualidade de vida dos munícipes tornando o Concelho mais moderno e aprazível, onde peões e automóveis se respeitam mutuamente e onde o verde e o granito se harmonizam.


Temos uma cidade mais limpa e ecológica, temos melhores arruamentos, melhores passeios, mais zonas verdes, mais zonas de lazer, mais praças. Mais Património.


 


·        Criar uma sociedade de reabilitação urbana.


·        Promover e valorizar o Centro Histórico.


·        Continuar a requalificar a cidade.


·        Garantir a eficácia dos planos de pormenor.


·        Ordenamento do trânsito/estacionamento (Arrabalde, Lapa e outros).


 


X – Programa Polis


 


Resultante da cooperação estabelecida com a Administração Central, o Polis de Chaves caracteriza-se por intervenções que valorizam os mais nobres espaços da cidade.


Através dele, procurámos reorganizar e disciplinar o ordenamento territorial da zona urbana do Concelho e criar zonas pedonais que permitem que os Flavienses vivam e sintam Chaves como sua.


 


Queremos, até ao final de 2006:


·        - Revitalizar das zonas ribeirinhas (Ciclovia).


·        - Ampliar a área verde (Parque Urbano da Galinheira, Parque Multiusos de Santa Cruz e Parque Urbano da Madalena).


·        Reforçar da urbanidade.


 


XI – Redes de Abastecimento de Água e de Saneamento


 


Na conquista da qualidade de vida no Concelho e respondendo às mais básicas necessidades da população que nos elegeu, definimos como prioritário, dotá-lo de uma rede de abastecimento de água mais completa e eficaz – que abranja uma maior área geográfica e que permita a sua utilização racional pela totalidade dos residentes.


O alargamento e requalificação da rede de saneamento foi, a par da anterior, uma das mais significativas conquistas do quadriénio 2002-2005, resolvendo problemas que há décadas as populações rurais sentiam.


 


Queremos continuar o esforço iniciado no mandato que agora termina, considerando determinante:


·        Acompanhar a construção da nova ETAR da cidade de Chaves;


·        Completar redes  de saneamento nas aldeias e implementação de ETAR’s.


·        Promover a gestão eficaz da água enquanto recursos essencial e escasso.

publicado por FlaviusII às 15:09
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Setembro de 2005
Projectos, Acções e Obras realizadas (Parte II)

VI – Termas


  


- Melhoria da qualidade/competitividade das instalações e dos serviços prestados/ Valorização profissional dos funcionários


- Reabertura do sector da inaloterapia.


- Lançamento de novas ofertas termais.


- Avaliação do potencial geotérmico.


- Prémio melhor estância termal INATEL 2002.


- Estabelecimento de parcerias com diversos empresários do sector turístico local (hotelaria, artesanato, animação turística,…)


- Remodelação do balneário velho e requalificação do sistema de abastecimento de água termal


  


VII – Comércio


 


- Requalificação do Centro Histórico


- Reorganização do estacionamento existente e respectivo alargamento em mais 400 lugares.


 


VIII – Desenvolvimento Rural


 


- Criação e implementação do Plano de Combate à Desertificação Rural:


* Constituição do Gabinete de Apoio às Iniciativas Locais;


* Elaboração de cadernos de especificações da linguiça, alheira, salpicão, pastel de Chaves e folar de Chaves;


* Apoio à comercialização dos produtos tradicionais;


* Apoio à formação em contexto real (realização de cursos de formação em aldeias).


- Apoio e valorização das cozinhas tradicionais.


- Realização de Concursos Nacionais de Raças Autóctones.


- Apoio à Cooperativa Agrícola de Chaves.


- Reabilitação dos Mercados Municipais de Chaves e Vidago.


 


IX – Requalificação Urbana


 


- Requalificação da Zona Histórica.


- Reconstrução da Muralha.


- Embelezamento urbano (Monumento a António Granjo).


- Construção da ligação circular externa/A24/Estrada Nacional.


- Construção e recuperação de passeios;


- Embelezamento de parques e jardins (S. Roque, Campo da Fonte)


  


 X – Programa Polis


 


- Inicio do programa em Fevereiro de 2002.


- Constituição da Sociedade ChavesPolis, S.A. em Maio de 2002.


- Obras integralmente realizadas e concluídas no âmbito do programa:


   *Envolvente do Forte de S. Francisco.


   *Envolvente à área termal


 


XI – Redes de Abastecimento de Água e de Saneamento


 


- Construção de reservatórios


- Abastecimento de água à nova zona de localização de actividades económicas


- Construção de 32 redes de saneamento nas freguesias


- Saneamento da Madalena


- Construção de emissários nas margens do Tâmega.


 


 XI – Preservação do Meio Ambiente


 


- Elaboração e implementação do Plano Municipal de Gestão de Resíduos Sólidos


- Gestão e manutenção dos espaços verdes da Cidade.


- Requalificação do viveiro municipal.


- Concretização do projecto das Lagoas de Chaves (candidatura a área de paisagem protegida).


- Concurso Rua Mais Saudável.


 


XII – Acessibilidades


 


  - Estradas e caminhos municipais concluídos no mandato - Redial/Pereira de Selão, Casas Novas/Praia de Vidago e Assureiras/Vilar de Izeu.


 - Estradas e caminhos municipais lançados, iniciados e/ou executados -Matosinhos/Seixo, Vila Verde/Selhariz/Fornos, Valdanta/Barragem/Cando, Vilarelho/Cambedo, Samaiões/Campinas, Faiões/Santo Estêvão, Ventozelos/Vilas Boas, Adães/Santa Leocádia, Capeludos/Sobrado, São Lourenço/Mosteiro, Pereira de Veiga/Outeiro Jusão, 1º troço da Circular Externa e 2º troço da Circular Externa.


 


XIII -  Cooperação com Juntas de Freguesia


 


  - Transferências de verbas para as Juntas de Freguesia efectuadas pela Autarquia no período 1998-2001 – 3.183.986,08€.


 - Transferências de verbas para as Juntas de Freguesia efectuadas pela Autarquia no período 2002-2005 – 4.856.686,43€.


 


XIV – Projecto Municipal de Cidadania


 


- Realização de sessões “Voz ao Munícipe”.


- Realização descentralização reuniões de Câmara..


- Criação do Conselho Municipal de Educação.


- Criação Conselho Municipal de Juventude.


- Serviço de Apoio às Comunidades Portuguesas.


- Informatização de todos os serviços municipais.


- Criação do PAC – Posto de atendimento ao Cidadão (loja do Cidadão) na freguesia da Madalena.


- Modernização do Espaço Internet.          


 


XV – Finanças Municipais


 


- Endividamento:         - Contração de empréstimos bancários pela Autarquia no período 1998-2001 – 10.107.007,13€.


 


- Contração de empréstimos bancários pela Autarquia no período 2002-2005 – 8.986.429,36€.


 




XVI – Valorização do Património Municipal


 


- Aquisições de Imóveis:


Arquivo Municipal – 100.000,00€ ;


Escola EB 2,3 de Santa Cruz Trindade – 1.250.000,00€;


Centro de Apoio a Deficientes – 57.295,00€;


Instalações GEMC – 11.263,64€;


Centro de Estudos Judaicos – 100.000,00€;          


Antigas instalações do BCP – 500.000,00€;


 Quinta do Pinheiro (Adega Cooperativa de Chaves) – 1.322.000,00€;


Outros – 54.812,00€.


 


- Participação no capital social de diversas empresas:


* GEMC – gestão dos equipamentos municipais de Chaves – 5.000,00€;


* CHAVESPOLIS – gestão do programa Polis em Chaves – 635.800,00€;


* IBERÁGUAS – exploração das águas de Vilarelho da Raia – 60.000,00;


* CHAVESPARQUE – gestão do parque empresarial – 72.500,00€;


* MARC – gestão do Mercado Abastecedor de Chaves – 228.000,00€;


* RESAT – recolha e tratamento de resíduos sólidos -7.500,00€.

publicado por FlaviusII às 15:38
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Setembro de 2005
Inaugurações!!!
O PS local tem nos últimos dias andado pelas freguesias rurais do nosso concelho, numa agitação terrível. O que as pessoas desses locais têm dito quando lhes perguntam “o que anda o Sr. Claro e seus subordinados a fazer por cá?”, a resposta é logo peremptória “ veio ele e os outros, inaugurar as obras que não conseguiu inaugurar no seu mandato …” e depois concluem, “… é pena! desta vez não fez festa, nem colocou placas!”.Eu como conheço bem as pessoas das aldeias, ainda pensei que estivessem a brincar ou então com um sentido irónico como é seu timbre, mas não, enganei-me! Depois de algumas explicações dadas por elas mesmo, concluí que o que afirmavam era verdade e, como tal, para que todos possam constatar passo a transcrever, alguns factos:
Em Sto. António de Monforte, freguesia em que “ Claro” o PS aposta tudo, tem sido visitada mais vezes agora que nos doze anos em que este esteve no poder, pois pelo que dizem quase nunca lá pôs os pés. Numa destas suas últimas visitas aproveitou para se reunir com meia dúzia de subordinados locais e em cerimónia privada, procedeu à inauguração do rasgo que deixou aberto (na estrada central que liga a localidade a Mairos, custou cerca de 150.000€ o seu arranjo à actual autarquia) para efectuar sem projecto o pseudo saneamento que vinha a ser objecto de promessas há mais de 12 anos. Na mesma cerimónia, foram incluídas também as actuais instalações da Associação Cultural, e sobre a qual os populares indignados afirmam “ foi gasto muito dinheiro para a construção dessas instalações, dinheiro que veio directamente da gestão do Sr. Claro para a Associação … curiosamente até sabemos que nesses mandatos a junta nunca recebia nada … nessa época o dinheiro que deveria reverter para melhoramentos na freguesia, era todo canalizado para essa instituição privada que pouca gente representa e da qual nunca foram tornadas públicas as suas contas … na altura da construção das suas instalações os trabalhos eram efectuados e pagos a dirigentes da mesma sem documentos oficiais …” continua a conversa “ para que serve essa Instituição, quais os benefícios para a freguesia? … Há já me ia esquecendo … os actuais candidatos pelas listas do PS, são todos membros e dirigentes dessa Instituição … os favores na politica têm que se pagar! … alguns meses atrás, um jornal local publicava uma notícia com algumas pessoas que se auto intitulavam fundadores … é mentira isso, como prova a escritura pública de 07/05/90 …”. Ao que me foi dado a constatar, existe por parte da lista do PS um grande deficit democrático e uma clara tentativa de influência do voto através de atitudes não muito dignificantes, numa freguesia onde, impera nas suas gentes, o gosto pela sua terra e certamente o reconhecimento por quem tem obra feita.
Vilela Seca esta é uma freguesia onde não se pode dizer que o Sr. Claro tenha ido fazer inaugurações, mas o que se diz à boca cheia por lá é que ele terá ido resolver o problema da dívida, deixada por um seu anterior candidato. A esse respeito fiz umas investigações e qual o meu espanto quando verifiquei que existe efectivamente uma dívida por liquidar no valor sensivelmente de 125.000€ a um empreiteiro que entretanto agiu judicialmente contra a referida junta. Essa mesma dívida foi contraída por um presidente de junta PS, que se não tem sido o PSD a impugnar a sua candidatura, o mesmo teria sido candidato novamente nas listas do PS. Num acto de devaneio esse senhor gastou dinheiro da forma que quis e como bem entendeu, sem que para tal o Sr. Claro, na altura presidente da Câmara, o tenha impedido ou responsabilizado. Como se isso não bastasse, o Sr. Claro faz como Pilatos, lava as mãos do assunto e não assume qualquer dívida, tal como consta na transcrição da acta abaixo reproduzida. Todos sabem que as juntas não tem autonomia financeira para fazer face a estas verbas, assim, quem irá pagar esta dívida avultada que, em Dezembro próximo, irá a julgamento e com juros, já deve ser perto de 150.000€?

Sem título1.JPG

Como por questões de espaço não posso de falar das inaugurações dos passeios em Mairos ( feitos com materiais adquiridos pelo presidente à sua própria empresa) do Saneamento das Travancas, do cemitério da Madalena e tantas outras que o PS tem vindo a fazer. Ficam aqui estes 2 exemplos da leviandade, despotismo e incompetência com que o Sr. Claro e seus nos brindaram no passado, e certamente, tem intenções de nos brindar no futuro.


Flavius II
publicado por FlaviusII às 16:31
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Setembro de 2005
Projectos, Acções e Obras realizadas ( Parte I )

I – Educação/Formação


 


- Requalificação de edifícios e salas;


- Instalação/reformulação de sistemas de aquecimento;


- Aquisição de equipamento informático;


- Implementação do projecto Viver a Escola;


- Elaboração da Carta Educativa


- Ensino de Inglês para todos os alunos de 3º e 4º anos do Concelho


- Fomento da prática de actividades desportivas


- Aquisição do terreno para a Escola EB 2,3 de Santa Cruz/Trindade


- Plano de Pormenor da Madalena onde está prevista a localização de uma nova escola (também prevista na Carta Educativa).


- Construção do parque de estacionamento e o arranjo dos espaços verdes da Escola Profissional;


- Realização do certame “Flávia Criativa”.


- Criação  e disponibilização do Centro de Recursos Educativos.


- Aquisição de bibliografia e outro material didáctico para professores e alunos


- Construção da Quinta Biológica e promoção de actividades pedagógicas de contacto com o meio ambiente.


- Construção do edifício da Escola Superior de Enfermagem.


- Criação da AQA – Associação para a Promoção da Qualidade e Segurança Alimentar e Ambiental.


- Candidatura ao Laboratório de Qualidade e Segurança Alimentar e Ambiental em parceria com a UTAD e a Universidade de Vigo.


 


 


II – Desporto e Tempos Livres              


 


 


- Desenvolvimento de escolas de formação desportiva em várias modalidades (andebol, basquetebol, atletismo, ténis, ténis de mesa, futsal, pedestrianismo, ciclismo, entre outras).


- Elaboração da Carta Desportiva.


- Realização, com periodicidade anual, da Semana do Desporto


- Promoção de actividades de Desporto Sénior.


- Realização das Férias Desportivas


- Construção do Pavilhão da Escola Francisco Gonçalves Carneiro


- Construção da sala polivalente da Escola de Santo Amaro


- Construção de polivalentes em freguesias rurais


- Construção do Circuito de Manutenção da Quinta do Rebentão


- Requalificação do Pavilhão Municipal


- Construção de 8 parques infantis em zonas residenciais urbanas.


- Parque Infantil do Tabolado.


 


III – Cultura         


 


- Criação da Associação Chaves Viva.


- Reforço da matriz local na cultura (através de actividades como o cortejo etnográfico, o cortejo etno-musical, os desfiles de moda de criadores locais ou o apoio à publicação de literatura sobre o concelho ou de autores flavienses).


- Concessão de apoio a inúmeras iniciativas e entidades.


- Criação do “Festival Rock-Casino” como forma de promoção de jovens talentos;


- Realização de espectáculos de teatro, opera, folclore, festivais musicais, concertos, dança e cinema .


- Construção da biblioteca municipal


- Construção da Academia de Artes / Auditório Municipal / Centro Cultural.


- Construção do Museu de Arte Sacra


 


 


IV – Acção Social


 


- Abertura de centros comunitários.


- Aprovação de centros de noite .


- Apoio a instituições de solidariedade social na construção/beneficiação dos seus equipamentos.


- Elaboração de projectos para centros de dia.


- Elaboração de projectos para os centros de convívio.


- Comemoração do Dia do Idoso.


- Apoio a actividades de Turismo Sénior.


- Apoio à Associação de Deficientes de Portugal (APD – Alto Tâmega).


- Apoio à Associação Flor do Tâmega e aquisição do terreno para o Centro de Apoio a Deficientes.


- Apoio à Associação de Deficientes das Forças Armadas  e à Associação dos Antigos Combatentes.


- Apoio a crianças deficientes.


- Promoção das Jornadas para Populações Especiais.


- Construção  do Bairro Social de Vidago.


- Dinamização do Clube de Crianças e Jovens.


- Requalificação  do Bairro dos Fortes.


- Transferência de património do IGAPHE (bairros sociais) para o Município.


- Valorização dos espaços exteriores do Bairro de Casas dos Montes.


- Desenvolveram-se projectos de prevenção primária das toxicodependências, dirigidos estrategicamente às Famílias, Escolas.


- Desenvolvimento do Centro Sócio-Formativo Deolinda dos Santos, em Rebordondo


- Apoio ao Programa  Integrado de Educação e Formação (PIEF).


- Unidade Móvel de Saúde


- Instalação da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens


 


 


V – Nova Zona de Localização de Actividades Económicas    


 


- Construção do novo parque empresarial de Outeiro Seco (Parque de Actividades).


- Construção da Plataforma Logística.


- Criação do Mercado Abastecedor.


- Construção de edifícios para incubadora de empresas de serviços.

publicado por FlaviusII às 15:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Setembro de 2005
Dilemas e Curiosidades!!!!
Agora que nos aproximamos dos derradeiros momentos que antecedem as Eleições Autárquicas, o Governo Central composto pelos “Boys” do Partido Socialista encontra-se num verdadeiro dilema que consiste em tornar compatível a (des)governação com o acto eleitoral que se avizinha.
Se por um lado o Governo e seus “Boys” devem tomar medidas para resolver os problemas reais do país, tais como, a escalada do preço do petróleo, o aumento da dívida externa, a competitividade da nossa economia, as ameaças concorrênciais, o investimento público, etc…, por outro encontra-se com o problema das Eleições Autárquicas e, a já quase anunciada, derrota eleitoral. Como forma de tentar resolver este dilema, procura então, utilizar a estratégia do silêncio voluntário e coercivo. Voluntário, quando numa tentativa de não meter mais o “pé na poça” e agravar o estado da nação, não fala de nada, não vê nada e não sabe de nada e como exemplo disso, alguém se lembra de alguma medida relevante anunciada desde a tomada de posse e que tenha relançado a nossa economia? A poucos dias da apresentação do Orçamento de Estado para o próximo ano, já alguém ouviu falar dele? Ninguém, pois os cortes orçamentais que se prevêem e, diga-se impostos pela União Europeia, podem vir a tirar votos.
Coercivo porque, como se tem visto nos últimos dias o direito à indignação, já não existe, atente-se na concentração dos militares proíbida pelo Governo. Provávelmente o deficit democrático está em fase de transferência da Madeira para o Continente. O silenciamento dos órgãos de comunicação, dos sindicatos nomeadamente dos professores e função pública, que em anteriores períodos de campanha eleitoral se manifestavam de forma efusiva contra o poder, onde estão agora?
Assim, vai o nosso país com um estado dentro do estado, demonstrando a sua ingovernabilidade, a qual se vai acentuando cada vez mais. Mas, nós como bons portugueses que somos, ver “a casa do vizinho a arder” não nos interessa, importante é aquilo que se vai passando por cá, no nosso burgo.
Bem, por cá!!!.... agora que começou a contagem decrescente, aquilo que finalmente nos foi dado a conhecer de mais relevante no aspecto político, foi a publicação oficial e pública das listas, com os candidatos dos vários partidos, ao poder local.
Se dos quatro partidos concorrentes, depois de ver as várias listas publicadas, dois não merecem qualquer comentário quer pela sua pouca expressividade, pela fraca capacidade dos seus candidatos e pelos poucos órgãos a que concorrem, os restantes sim, merecem um olhar atento, tanto mais que concorrem com listas próprias em todos os órgãos.
Depois de analisadas as listas de candidatos do PSD, pode-se afirmar que o partido e seus dirigentes, tiveram a preocupação de apostar na continuidade (“equipa que ganha não se altera”). Dos cerca de 900 (em números redondos) candidatos integrantes, são todos residentes no concelho e praticamente ( à excepção de um ou dois) não se repetem por varias listas.
Aquando da análise das listas do PS, algumas curiosidades ressaltam em relação à composição e organização das mesmas. De entre elas pode-se salientar as seguintes:
- O PS local parece organizar-se baseado nos super candidatos, se assim não for como se explica a ocupação de tantos lugares por parte destes senhores(a). O Sr. Dr. Luís Fontes, candidato número 3 à Câmara, número 6 à freguesia de Sta. Cruz e número 16 à Assembleia Municipal. O Sr. Dr. Francisco Melo é candidato número 6 à Assembleia Municipal e número 4 à freguesia de Sta. Cruz. A Dr.(a) Brigite Gonçalves ( curiosamente, quem é esta senhora, o que faz, de onde veio, alguém conhece? O que fez de relevante, provávelmente candidata mistério) candidata número 6 à Câmara, número 4 à freguesia de Sta. Maria Maior e número 14 à Assembleia Municipal. O Professor Anselmo Martins é candidato número 1 à freguesia da Madalena e número 7 à Assembleia Municipal. Estarão eles(a) a tentar simplesmente iludir a população, pois toda a gente sabe que se forem eleitos nos cargos todos a que são candidatos, não iram ocupar esses lugares, ou procuram outra coisa? Talvez encher listas, ou garantir sempre em caso de vitória e derrota qualquer (tacho) lugar, num qualquer cargo.
- As listas do PS que com todas as repetições, apresenta um número bem menor de candidatos que o seu concorrente PSD e ainda incluiu um número significativos de pessoas que não residem no concelho e também muitos filhos dos dirigentes e notáveis do partido.
Decididamente, a capacidade de mobilização do PS é muito fraca, poucos são aqueles que não devem favores ao seu líder e estão na disposição de dar a cara por ele, nota-se perfeitamente a incapacidade de atrair para as suas fileiras, gente capaz e com provas dadas. É com estes candidatos que o PS local à semelhança do seu líder nacional, vem ludibriar e mentir aos eleitores quando afirma nos seus cartazes que “vai criar mais lares” (quantos criou nos seus mandatos? Zero); “ vai criar 1000 postos de trabalho” ( como? Porque nos seus mandatos a taxa de desemprego local, foi das mais altas do país? Ainda se lembram dos 150.000 do Eng. Sócrates?); “baixar os impostos sobre os imóveis” (alguém acredita? Não foi o seu líder que, na anterior campanha prometeu baixar os impostos e agora anda por aí a aumentá-los todos). “Claro” esse senhor provávelmente irá cumprir estas promessas (como o líder do seu partido, cumpriu quando alterou a idade da reforma e congelou a progressão na carreira dos funcionários) basta para tal, ver a expressão de assustado com que ficou na fotografia impressa nos cartazes.
publicado por FlaviusII às 10:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Setembro de 2005
“Os números… também falam!!!”
Durante o curto (e merecido) período de ausência, surgiram factos políticos que vieram agitar o verão quente de 2005. Tais factos estiveram ligados, como não poderia deixar de ser, ao acantonamento de alguns fundamentalistas e ortodoxos políticos do partido que lidera a oposição local. Os factos criados, assumem uma gravidade de tal ordem, que podem mesmo ser catalogados de terrorismo político. Como podemos classificar as providências cautelares interpostas (sabe-se lá quem, a mando de quem e com que finalidades politicas) da muralha e da nova zona industrial? O que dizer da factura em que a câmara é acusada de pagar um serviço contratado pelo PSD? E porque razão se esqueceram de explicar como a factura deu primeiro entrada no PS e só depois na câmara? Porque é que na conferência de imprensa não explicaram (e, até sabem bem) que o grave, não é a factura ter entrado nos serviços da câmara, mas sim a mesma ter sido paga, o que, não foi o caso, pois qualquer pessoa ou entidade pode facturar o que quiser e a quem quiser. O bem ou serviço tem é que estar devidamente comprovado, facto que também, não foi verificado.
Também nesta minha ausência, os auto-intitulados “Os Presidentes da Junta do PS” vieram dar resposta ao meu último artigo, não sei porquê!!!, ou melhor talvez saiba…. A esses senhores, provávelmente não são todos, que a mando de algum iluminado, vieram insinuar coisas a meu respeito, tenho a dizer-lhes que contrária mente ao que pensam, eu sempre que escrevo e assino com o nome Flavius, estou a dar a cara, coisa que muitos deles, não fazem quando os assuntos por exemplo se referem a verbas transferidas para as suas freguesias e o local onde as mesmas são gastas.
Os indignados Presidentes, não era a mim que deveriam responder, mas sim aos cidadãos das suas freguesias e explicar-lhes porque é que, nas Assembleias Municipais, votam sempre favorávelmente as propostas apresentadas pela câmara. Talvez o partido que representam e, eles próprios, queiram explicar nas freguesias descritas no quadro abaixo, onde foram gastos os dinheiros deste último mandato.

FREGUESIAS PS ( Transferências da Câmara mais FFF) (Valores em Euros)


Arcossó
187.045,00

Moreiras
178.297,00

Sto. Estevão
177.379,00

Vilela Tamega
166.180,00

Calvão
188.765,00

Nogueira Montanha
221.333,00

São Pedro Agostem
329.512,00

Cimo de Vila
213.253,00

Paradela Monforte
168.086,00

Travancas
162.166,00

Eiras
185.863,00

Povoa Agrações
164.648,00

Tronco
166.960,00

Faiões
159.090,00

Redondelo
200.054,00

Valdanta
194.012,00

Lama de Arcos
184.377,00

Roriz
141.753,00

Vidago
244.536,00

Loivos
220.936,00

Sanjurge
160.411,00

Vilarelho Raia
195.816,00

Mairos
180.673,00

Santa Leucadia
195.557,00

Vilela Seca
171.215,00


Nota: A estes valores ainda deve ser acrescida a verba gasta pela câmara em algumas destas freguesias, na realização de obras de investimento elevado. Como por exemplo, saneamentos, exploração e reforço de água, pavimentação de estradas, etc..

As levianas acusações de parcialidade por parte desta câmara em relação à cor política de cada freguesia, também as podemos observar e comparar com mandatos anteriores no quadro abaixo que, por impossibilidade de espaço, representa só uma amostragem aleatória do universo total das freguesias.

FREGUESIAS PSD (Valores em Euros)

Protocolos 1997/2001
Câmara PS

Anelhe Soutelo Curalha Oura Sanfins Sto. Ant. Monforte Vilar Nantes

4.677,00 10.122,00 24.716,00 19.951,00 13.894,00 13.672,00 19.754,00

Protocolos 2002/2005
Câmara PSD

Anelhe Soutelo Curalha Oura Sanfins Sto. Ant. Monforte Vilar Nantes

124.736,00 98.754,00 161.757,00 135.472,00 117.252,00 103.009,00 106.136,00



FREGUESIAS PS (Valores em Euros)

Protocolos 1997/2001
Câmara PS

Arcossó Lama Arcos Mairos Paradela Roriz S. P. Agostem Vidago

41.438,00 27.354,00 85.117,00 43.965,00 35.630,00 94.275,00 159.453,00

Protocolos 2002/2005
Câmara PSD

Arcossó Lama Arcos Mairos Paradela Roriz S. P. Agostem Vidago

99.201,00 95.813,00 92.829,00 80.242,00 53.909,00 175.140,00 144.856,00

Certamente que existem ainda valores destes protocolos por liquidar mas, o mandato ainda não terminou e deve também salientar-se que, a divida só se torna efectiva quando a obra está realizada e devidamente medida pelos técnicos da câmara.
Presumivelmente o PS de Vilela Seca não deve subscrever a suspeição levantada no artigo que os seus camaradas subscreveram, bem como, alguns daqueles que a troco de pedidos de emprego para os seus familiares se ofereceram para representar o PSD.
Depois destes valores apresentados em período de forte crise e restrições económicas e que não representam a totalidade dos investimentos, ainda estes senhores têm coragem de vir acusar a câmara de despesista. Bem haja a este despesismo, sempre e quando os senhores, o saibam rentabilizar.


publicado por FlaviusII às 17:34
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds