.posts recentes

. Política de Rendimentos p...

. Política de Rendimentos p...

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. A CRISE SOCIAL NO NORTE

. AGENDA SOCIAL

. Desemprego 2006

. O DESGOVERNO DA SEGURANÇA...

. OE 2007 - Assim não saímo...

. Contradições!

. INCOMPETÊNCIA

.arquivos

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

.Visitas
online
Quinta-feira, 14 de Setembro de 2006
O que quer esconder o governo?

É lamentável que um governo que se quer sério e responsável, atire com um número (580.291) de funcionários públicos para a praça pública, e depois não diga nem explique como lá chega e onde estão esses trabalhadores.

 

O governo compara os 580.291 com o número de funcionários públicos existente em 31 de Dezembro de 1999, eram 566.548, mas não especifica onde estão.

 

Em 1999, os 566.548 trabalhadores estavam assim distribuídos:

- 360.067 trabalhadores da Administração Directa;

- 200.756 trabalhadores da Administração Indirecta;

- 5.725 trabalhadores  dos  Serviços  da  Apoio  a  Órgãos  de

Soberania e Organismos Independentes.

 

E em 2006, os 580.291 funcionários públicos estão aonde?

O governo sabe ou não sabe? E se sabe, porque o esconde aos portugueses?

 

Mas em 1999, para além dos 566.548, havia ainda mais 149.870 trabalhadores na Administração Local e Regional, totalizando 716.418 trabalhadores.

 

Esses 149.870 trabalhadores estavam assim distribuídos:

- Administração Autárquica – 116.066;

- Administração Regional dos Açores – 15.166;

- Administração Regional da Madeira – 18.638.

 

E em 2006 quantos trabalhadores estão nestas duas áreas do Estado? Ou os 580.291 que o governo anunciou, já incluem os funcionários que trabalham no Poder Local e nas Regiões Autónomas?

O governo tem a obrigação de falar com objectividade e transparência, não deve       omitir os números rigorosos     do funcionalismo público, nem pode martelar um número qualquer só para consumo da comunicação social.

 

Os Portugueses exigem que o governo se explique, que ponha cá fora os resultados das auditorias que diz ter feito ministério a ministério e, já que o Ministro das Finanças em mais uma tirada de última hora acusou no passado dia 27 Julho algumas autarquias de estarem a desrespeitar a orientação do governo para reduzir as entradas na Função Pública, esclareça também os portugueses do número de trabalhadores que pertencem às Regiões Autónomas e ao Poder Local.

 

E em homenagem ao rigor, consideramos muito importante que o governo publique quantos trabalhadores estão na Administração Pública com contrato de trabalho a termo, com contrato de tarefa, com contrato de avença, com contrato de aquisição de serviços e com contrato não escrito.

 

É que em 1999, o número de trabalhadores que se encontravam naquelas situações eram 60.218.

 

E em 2006 quantos são?

Flavius II

publicado por FlaviusII às 23:56
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds